criando um dos derradeiros galegos que falam a sua língua
Subscribe

Archive for the ‘Pequenas histórias’

Feijoo manda ao Xabarin agasalhar livros em…espanhol

Decembro 14, 2011 By: cernekernel Category: Pequenas histórias 5 Comments →

O Club Xabarin vem sendo o único refúgio dum neno ou nena galegos para ter umha programaçom infantil na nossa língua. Muitas som as críticas que se lhe podem fazer como a repetiçom dos mesmos desenhos animados, a pouca variedade, o horário…todas podem serem perdoadas, mas o que nom podemos perdoar é que o Xabarin, o nosso Xabarin NON regale aos pequechos os seus livros em galego. Isto é o que está a fazer estes dias. Nós sabemos que o Porco Bravo nom é o culpável, como nom som culpáveis as profes de ensinar as mates em espanhol. O Porco Bravo nom sai nunca de costas à câmara, porque daquela veria-se quem o tem agarrado polo rabo: maos bífidas, cavernícolas lingüicidas, austeros derrochadores…todos esses que abafam qualquer raiola, qualquer gromo por cativo que seja do nosso idioma. Som os que corrigem os livros de texto porque lhe assanham os olhos ler que o galego é o idioma próprio de Galiza.

Assim que podem ter as escusas que queiram, que estes livros em espanhol que agasalham no Club é que lhos regalam, que se a crise, que las lenguas son para unir y no para separar…porque nós sabemos que nom é cousa do Xabarin. É que ao porco Bravo, tenhem-no colhido polo rabo, vós já sabedes quem…

Aqui abaixo o video:
xabarin agasalha livro em espanhol

Impaís, desenhos animados e merchandising

Xaneiro 17, 2011 By: cernekernel Category: Pequenas histórias 2 Comments →

Outra das cousas que tem viver num Impaís é que um neno/a nom pode ter um boneco da sua série favorita de desenhos animados que fale no seu idioma. Ou mesmo algo pior, um neno/a deste Impaís nom tem bonecos, ou cromos, ou camisolas das poucas séries e personagens infantis galegas. Este Impaís nom dá para merchandising. Assim é que nom temos bonecos de Planeta Fantasia, do Xabarin, de Cousiñas, de Pelogato24…
E claro, neste Natal o Breixo queria um boneco dum dos seus discos favoritos, queria um boneco de Pelogato24. Desta volta tivo sorte porque a sua mamai falou co Apalpador e conseguiu um Pelogato made in feito na casa (o que se vê na foto) mas talvez nunca tenha um Fiuncho, um Merlinho, um Xabarim, um peluche de Basílio de Cousiñas… Porque este ano o Apalpador salvou o merchandising mas quiçá nom poda volver fazé-lo, ou sim, quiçá esse seja o labor do Apalpador: suprir o déficit de merchandising deste nosso Impaís!

Bota-me a língua!

Setembro 10, 2010 By: cernekernel Category: Pequenas histórias 4 Comments →

Por umha série de razons o Breixo tivo de passar por diversos doutores nos últimos meses. Ao entrar no consultório transforma-se num energúmeno sem trégua para o choro, mas… desta volta, algo variou. O Breixo, após vários minutos de metralhar protestos… sorriu de meio lado e dixo: ‘pode ser, pode ser!’ Estava a repetir o que dizia o doutor, porque esse doutor, aos poucos, estava falando em galego connosco, cousa que nunca acontecera antes.

Umha vez que o Breixo percebeu que o doutor falava na sua língua, e logo de repetir alguns finais de frase do médico, foi-se relaxando e chegou mesmo a se desincrustar do colo da sua mamai e a passear polo consultório.
Era a primeira vez que acontecia.
As mágoas com pam som menos, e semelha que as mágoas na língua dum…TAMBÉM!!!

Em parom técnico!!!

Agosto 19, 2010 By: cernekernel Category: Pequenas histórias 5 Comments →

Além de que estamos em férias e ao corpo e ao coco há que lhe dar descanso, estamos com problemas técnicos: o meu preçado notebook Toshiba parece que morreu! Morreu asistindo o Youtube, de súpeto apagou-se todo e nom há deus que o enderece. Nem sequer um tristeiro led alumea a sua escura carcasa. No entanto, um alma caritativa emprestou-me um elegante Dell Xps, lindo, case até sexy mas… nom tem toda a parafernália que uso para este projecto e nom andamos com ánimos para fazer transplantes. Assim que mentres o Toshiba anda a meio caminho entre a UCI e o tanatório, mais perto deste último, haberá um parom no blogue.

Um blogue por certo no que também ando com problemas de desenho, nom sei se devidos ao tema que escolhimos ou a actualizaçom levada a cabo por Blogaliza estas últimas semanas.

O exquisito Dell Xps m1330

O meu preçado toshiba (possivelmente D.E.P)
toshiba

Teleoperadoras nacionalistas espanholas de subcontrata de telefónica em acçom contra o galego

Xullo 17, 2010 By: cernekernel Category: Pequenas histórias 3 Comments →

Até passadas um pouco as 2 da tarde era um dia precioso. Estava a jantar baixo o alpendre e o sol era um convidado mais na comida. Soou o telefone e entrei na casa para atender a chamada:
-Hola, le llamo de telefónica, le habla fulanita (dim tam a correr o nome que nunca se queda um com ele). Usted no tiene contratada la línea de ADSL con telefónica….
-Um momento-digo-lhe eu- nom há ninguém em telefónica que para me vender um produto fale no meu idioma, em galego?
-No
-Pois daquela sinto-lho, até logo.
Volto para afora a seguir desfrutando do jantar, a família e o sol incluído e ainda bem nom me dou sentado volve soar o telefone. Entro, colho o aparelho:
-Hola, le llamo de telefónica, le habla fulanita (nom reparo tampouco no nome mas percebo que nom é a mesma voz). Usted no tiene contratada la línea…
-A ver -corto-lhe e repito-me- é que nom há ninguém em telefónica que para me vender algo se poda dirigir a mim no meu idioma!
-Pero usted es español…!!! -espeta-me a tipa.
-Sou galego! E colgo o aparelho.

Já meio amolado volvo cabo da comida, da família e do sol e sento por fim na mesa e sim, como adivinhastes , volve soar o telefone. Penso um segundo se voltar colhe-lo mas, como tenho um assunto pendente e é provável que me chamem, diante da dúvida vou lá outra-volta colher o aparelho.
Viva Espanha! -di a voz da última tele-operadora com quem falara, e colga, clic.
Recapitulo todo o acontecido e fico abraiado. O nojo que sinto nesse momento leva-me a marcar o 1004 e fago que me atenda umha operadora em galego. Conto-lhe o caso, e sugiro-lhe que seguramente isto acontece desde umha empresa sub-contratada por telefónica. Ela di-me que desde telefónica nom se realizou chamada algumha e, nom é que nom me creia, mais é que está abraiada que isso poda suceder.
-Pois imagine eu, que se me arrefria a comida estou aqui falando com vostede -digo-lhe.
-Comento-lhe que quero fazer umha queixa (gostava mais que for umha denúncia) sinto como golpeia as teclas do seu computador e logo dá-me o número correspondente à minha queixa e pede-me desculpas em nome de Telefónica.
Volto, por fim à mesa, a desfrutar da comida, da família e do sol…esse sol que polo visto, alguns teimam em crer que nom se pom no seu, intolerante, império.

Caillou, a canarinha e a teta

Xuño 18, 2010 By: cernekernel Category: Pequenas histórias 3 Comments →

O dia e à hora que jogava ‘La roja’ a sua primeira partida no mundial 2010, o Breixo tinha reuniom para jogar cos seus amigos/as do grupo de apoio ao aleitamento materno. O Breixo levava a camisola do time de Brasil (sim sei: é que imos provocando!) e ao entrar ao local onde fam as actividades umha mamai dixo-lhe: que guapo, de amarillo….pero hombre…de Brasil!? A mamai, que para isto sempre é mais didáctica que o papai, respostou-lhe: sim…de Brasil. Estamos mui agradecidos a Brasil, e também a Portugal, porque é por eles que podemos ver a Caillou e a Pocoyo em galego!
E ti que dirias nessa situaçom:

  • a) o mesmo
  • b) Espanha me la ……….
  • c) que País é este que há que dar explicaçons de como um vai vestido/a ?
  • d) é que lhe queda tam bem o amarelo…!

Eu nom som parvo: vende-me no meu idioma!

Xuño 11, 2010 By: cernekernel Category: Pequenas histórias 1 Comment →

Para que o Breixo, esponja de 2 anos e pouco, absorva o mais possível de galego, os seus pais sofremos a tortura de, quando acendemos a TV, fazer-nos acompanhar da TVG. Vimos notando nos últimos anos, por exemplo, que nas entrevistas à gente da rua sai agora mais gente respostando em espanhol, como se houver umha consigna de fazer mais visível o feito que na Galiza se fala o idioma do reino de Espanha. E resulta também que, como todo o mundo sabe, nom todos os anúncios estám em galego. Assim que somando isto aos artistas espanhóis do Luar, convidados espanhol-falantes de diversos espaços, políticos espanhóis nas notícias, etc, etc…a televisom galega, será galega, mas … que o demo me leve!
O dos anúncios assanha-me muito: quem queira que lhe merque que mo venda no meu idioma. Assim que imos fazer umha lista (lista aberta, por suposto) dos anunciantes que vejo que vendem os seus produtos em espanhol na TVG para que o podamos ter em conta à hora de consumi-los:
* All Bran, de Kellogs
* Braun
* Peugeot
* Don Limpio
* Oral-B
* Tena
* Olay
* Somatoline
* Neutrex
* Movistar
* Leche Pascua
* Alli cápsulas adelgazantes
* Panasonic
* Batequilla Central Lechera Asturina
* Kukident
* Vernel
* Bloom de Cruz Verde
* Matutano
* Audifon
* Vital Dent

um dos produtos que nom se dignam anunciar-se na nossa língua
fai clic na imagem para vê-la em grande

Umha outra TV invasora

Xuño 01, 2010 By: cernekernel Category: Pequenas histórias 8 Comments →

tele invasora

A importância dos meios de persuasom, que alguns teimam em chamar de comunicaçom, é chave na desgaleguizaçom que vem sofrendo o País nos últimos tempos. Agora coa chegada da TDT e as possibilidades que esta oferece, as cousas nom vam melhorar, mais ainda quando as TV que tenhem licenças denominadas ‘autonómicas’ emitem quase todo em língua espanhola, deixando o galego como algo anedótico ou como excusa de malpagador. Assim é o caso da TV da Igreja Católica e assim é o caso da última em aparecer: Vtelevisión, de La Voz de Galicia, umha tele que tem a bem fachendear de moderna e urbana, e por isso os programas importantes: longametragens, seriados e informativos vam em espanhol. Cinismo de espirito de quem defende a berros desde as tribunas de papel um bilingüismo harmónico, filho putativo da sagrada libertaz, libertaz,libertaz!

Umha outra história…

Maio 26, 2010 By: cernekernel Category: Pequenas histórias Comentarios desactivados en Umha outra história…

Ando eu estes dias a ler, por rachas, O Reino Medieval de Galicia, de Anselmo López Carreira e é quando, nom é que me decate, que disso já há tempo, nom é que me consciencize, que disso também vai aló…mais sim que é quando noto que além do problema da língua, também vou ter quando o neno vaia à escola, o problema dos contidos: os programas escolares. Em história, já que ando a voltas com este livro, digamos que teremos que fazer em casa como umha contra-programaçom, um plam B… mas como fazer isso sem que se pareça a um desagradável adoutrinamento sectário. Estamos preparados?

Creio que as papais e mamais que tentamos educar às nossas crianças, nom já no idioma próprio, senom em clave de País estamos como há 20 anos ou ainda pior. Pior porque agora a hostilidade contra o nosso idioma e a nossa identidade fai-se sem rubor nengum e mesmo valora-se e serve para ganhar medalhas e melhorar algum curriculum.

E estamos pior porque podemos fazer umha grande manifestaçom, nom digo que desnecessária, mas nom estamos em todos os entramados da vida cívica. Temos menos presença que há umhas décadas, em todo tipo de movimentos sociais, vizinhais, desportivos… porque procura-se mais o candidato que-queda-bien-con-todo-el-mundo, vazio e que luze que quadros com capacidade e critério.

E quiçá haja que se parar, replantejar-se tudo de novo e após agir e acolher-lhe a umha estratégia

Mas isso é o presente e eu sigo a ler a Anselmo, a história, o passado …mas o passado que me devolve, teimudo, página a página ao presente.

De chapeus, luvas e amorodos…

Maio 03, 2010 By: cernekernel Category: Pequenas histórias 2 Comments →

Ontem o Breixo estava a jogar com umha nena da sua idade com um brinquedo que permite construir formas. Breixo fixo algo parecido a um aro e berrou: círculo, círculo! Logo construiu algo semelhante a um rectângulo mas puxo-o na cabeça e dixo: chapeu, chapeu! A mamai da nena, que seguia os jogos perguntou-nos: y luego, a que le llama chapeu?
Percorreu-nos umha tristura polas tripas. Chegamos a pensar se nom estávamos fazendo umha crueldade com o pequerrecho ao lhe ensinar a falar bem o seu próprio idioma. Quanto mais maior vaia e quanto mais fale mais incompreendido medrará entre os que o arrodeiam. Ninguém saberá que é isso de que goste de sorvetes de amorodo (já nem vos conto se for de morango) ou que tenha frio e ponha umhas luvas…
Nom, nom ocorrerá isso. A maquinária está pronta, a manada tem a sua consigna. Obviamente acabará por falar em espanhol!